Macarrão do Arco-Íris
3 de abril de 2017
Adoção
3 de maio de 2017

Texto: Fernanda Mello de Moura | Pedagoga

    Ajudar a criança a desenvolver sua autoestima é uma importante tarefa da educação. Dar ferramentas para que ela construa uma imagem positiva de si, colabora para que consiga manter relacionamentos saudáveis durante sua vida. Além disso, uma pessoa com amor próprio elevado tende a reconhecer seus sonhos com mais facilidade, o que contribui na construção de uma vida permeada de realizações.

Durante o processo de crescimento da criança, é importante que ela tenha oportunidade de fazer por si. Mesmo as bem pequenas, de um ano, por exemplo, conseguem realizar tarefas que, para os adultos, podem parecer irrelevantes, mas são grandes oportunidades de aprendizagem. Levar um objeto de um lugar para o outro, ajudar a arrumar a cama, lavar um alimento, são exemplos de tarefas simples, porém desafiadoras para os pequenos. Realizar atividades que necessitem da coordenação motora, que ainda está em desenvolvimento e, ao mesmo tempo, agir com um objetivo mental, requer grande esforço da criança pequena.

À medida que o tempo passa, se ela exercitar esse processo de pensar e de fazer simultaneamente, vai se desenvolver. Assim, a cada passo, consegue superar pequenos obstáculos e, desta forma, se sente segura e capaz. Sentir-se confiante ao realizar dá suporte emocional para desafios maiores que virão no futuro. Além disso, dá ferramentas para ela desafiar seus medos e inseguranças dia após dia.

Elogiar a criança quando tem uma atitude positiva ou de superação também colabora para que ela entenda como dar valor a si. É importante que ela saiba que seus atos podem repercutir emoções boas nas pessoas ama e em si. Não é necessário dispensar elogios sem sentido e fora de hora, mas quando tiver um contexto significativo.

Para isso, é preciso focar o olhar nas pequenas conquistas. Inclusive, é um bom exercício para os adultos também. Quantos gestos simples e pequenas realizações passam despercebidos no mundo dos grandes?

Valorizar sua história e suas características físicas e emocionais é ter consciência verdadeira de si. Isto não quer dizer se achar melhor que o outro, mas que é diferente em suas qualidades e em seus defeitos.

Da mesma forma que a criança precisa aprender a respeitar os outros, também é necessário que aprenda a respeitar a si e ao seu jeito de ser. Assim terá mais chances de ser feliz com o que é e com o que precisa melhorar.