Segunda Gravidez
2 de abril de 2016
Igor Rickli e Aline Wirley
1 de julho de 2016

Por: Auxiliadora Mesquita | Fotos: Lis Sayuri | Modelos: Felipe Keller (futebol), Carolina Keller (natação) e Ariana Nathalia Gonçalves Silva (ginástica olímpica) | Agradecimento: Isabela Feijó

A Copa do Mundo 2018 já está aí e, com ela, uma atenção redobrada ao mundo esportivo. Da Rússia chegarão notícias e emoções e nossas crianças vão acompanhar os jogos e toda vibração em torno do evento. Bom para aprender a torcer. Mas que tal aproveitar a animação e descobrir com os pequenos um bom esporte para praticar?

A prática esportiva é uma ótima maneira de desenvolver corpo e mente e as opções vão muito além do futebol – que por falar nisso, também é ótimo! Dedicar-se a uma atividade física estruturada contribui para o desenvolvimento do foco, da concentração e da disciplina. Também ajuda a criançada na socialização e na cooperação em equipe, e estimula o autocuidado e a percepção de seu corpo. Como se fosse pouco, praticar um esporte ainda incentiva a resiliência e a capacidade de superação dos pequenos, que aprendem a lidar com companheiros e adversários, perdas e conquistas, vitórias e fracassos.

Para que tudo isso se torne realidade na vida de nossos filhos, é preciso dedicar algum tempo na escolha do esporte mais adequado e investir na experimentação. E é fundamental que as crianças participem dessa escolha e decisão, pois forçar os pequeninos a participarem de algum esporte a contragosto é receita certa para frustrações. Exigir dedicação além da conta também não é o melhor caminho,  podendo  causar o afastamento da prática esportiva  e até lesões. É muito importante manter o foco na participação e na saúde, benefícios que serão levados para toda a vida. E deixar que o tempo e o desenvolvimento em cada prática indiquem se a criança tem algum talento especial ou vontade de se dedicar mais a fundo.

As opções são muitas e tudo vai depender do interesse dos pequenos e do que se encontra disponível em sua cidade ou bairro. Aqui vão algumas  recomendações por idade:

Dos primeiros meses até os 5/6 anos:

A natação continua sendo a melhor pedida. Feita mais como brincadeira, sem objetivo competitivo, ela desenvolve, acalma, encoraja e diverte. Bicicletas e triciclos, escorregadores e bolas são brincadeiras suficientes e saudáveis para o desenvolvimento físico e mental nessa fase.

Dos 6 aos 12 anos:

Aqui as crianças já conseguem compreender regras e instruções. A natação continua sendo uma ótima opção e outros esportes estruturados podem entrar na agenda. Esportes coletivos e com bola fazem sempre sucesso, como vôlei, futebol, futsal, basquete e handebol. Esportes individuais, como tênis, ginástica, equitação, skate, modalidades de bicicleta e escalada, também podem entrar nas alternativas. E lutas como judô, caratê, capoeira e até esgrima são ideias tradicionais e excelentes.

Escolhido o esporte, é importante verificar as condições de quem está ofertando a prática. Os equipamentos são seguros? As condições do local são boas? Checar referências de treinadores/treinadoras é um gesto básico. E manter sempre a comunicação e o acesso, não só com o pessoal local,  mas principalmente, com sua criança. Assim, a prática só vai trazer benefícios e alegrias. Se tudo isso um dia trouxer um campeão ou campeã para casa, que bom! Mas o importante é que terá trazido muito mais saúde e força, para o corpo e para a mente – e isso nossas crianças levarão para o resto de suas vidas.