Horário de Verão

Dia do Soldado
21 de outubro de 2016
Trânsito
21 de outubro de 2016

Tem gente que ama, tem gente que odeia. Mas quando ele chega em outubro, altera o relógio de todo mundo: é o horário de verão, que apareceu a primeira vez no Brasil em 1931. E entre idas e vindas, reapareceu em 1985 e não foi mais embora.

No Brasil, os estados das regiões Sul e Sudeste sempre estão na grade da mudança no relógio. A região centro-oeste e o Distrito Federal costumam entrar também. Ficam de fora os do Norte e Nordeste. Mas existe quem queira acabar com ele em todo o país, alegando que a mudança de horário causa problemas de saúde e de segurança pública que não seriam compensados pelos benefícios previstos.

E que benefícios são esses? Sugerido pela primeira vez por Benjamim Franklin, cientista e pensador dos Estados Unidos do século XVIII, a ideia era que, ao seguir o horário natural do nascer do sol nas diferentes estações, a luz do dia poderia ser melhor aproveitada. Ninguém na época ligou muito. Mas no começo do século XX, a Alemanha adotou o horário de verão como parte do esforço de guerra na 1ª Guerra Mundial – a mudança prometia uma economia nos gastos com carvão.

No Brasil, a volta do horário de verão na década de 80 ocorreu também por necessidade econômica. Num período de escassez hídrica e temendo dificuldades na produção de energia pelas usinas hidrelétricas, a ordem do governo era economizar. E este argumento – a economia de energia – é utilizado até hoje. Com o “adiamento” da noite, o pico de consumo no final da tarde seria evitado, diminuindo a sobrecarga no sistema.

Quem é contra avalia que a alteração do relógio na parede causa alterações indesejadas e perigosas no relógio biológico. E ainda põe em situação de risco nas ruas quem precisa acordar cedo demais e sair no escuro. Numa conversa entre amigos, sempre vai aparecer quem ama ter mais tempo para aproveitar a luz do dia, praticar esportes ou curtir na rua até mais tarde. E vai ter muita gente reclamando da dificuldade de levantar cedo e até de colocar as crianças no ritmo. Seja como for, ele já está chegando. Melhor se preparar para ele e tentar aproveitar ao máximo!

01