Pais Minimalistas
21 de outubro de 2016
Sentimentos
21 de outubro de 2016

Amigos, conselheiros, educadores, companheiros. Independentemente do papel que assumem, o avô e a avó continuam sendo figuras fundamentais no convívio com os netos.

Os avós são parte integrante e importante na vida das crianças. O afeto que sentem pelos netos só os avós têm. Assim como amor de mãe, de pai e de irmão são distintos, o sentimento dos avós também é. Por isso, a convivência com eles é tão positiva para o crescimento dos pequenos.

Cada família tem suas peculiaridades e sua forma de convivência é diferente. Alguns se veem diariamente, outros só aos fins de semana. Ainda há os que moram longe e o contato é mais difícil, mas nem por isso há menos amor. O importante é manter a vivência entre os familiares viva e constante.

Experiência e visão do mundo

Além do amor, que é indiscutível, os avós também passam experiência para os pequenos. Pelo tempo de vida que têm, conseguem ter uma visão do mundo e das pessoas diferente da visão dos pais e das crianças. Ouvir e conhecer essa prática de vida ajuda os pequenos a perceber que há outras formas de se enxergar uma situação. E isso as torna mais maleáveis e mais abertas a aceitarem interpretações diferentes das suas.

Pela intimidade que têm, tanto com os pais quanto com as crianças, os avós podem auxiliar os pequenos a entender melhor os seus pais. Muitas vezes, as crianças têm uma visão bastante egoísta e imediatista das regras da casa. E, por isso, é comum se sentirem prejudicadas e insatisfeitas com seus pais e suas decisões. É difícil para elas enxergarem além dos seus próprios problemas e vontades, justamente por sua falta de experiência e maturidade. E os avós têm intimidade com os membros da família, o que lhes dá liberdade para conversar e mostrar o lado e as razões de cada um.

A história de cada um…

Além da experiência, os avós podem contar às crianças um pouco de sua história. Narrar como foi a sua infância, sua juventude, quais eram os costumes daquela época, como se vivia, o que era moderno, o que era difícil. Falar sobre a sua família, como era, como morava, como eram as relações familiares. Todas essas informações ajudam a crianças a construir uma noção de tempo mais ampla. Também pode auxiliá-las a perceber que o tempo passa para todos e que os seus avós, que um dia já foram bebês, hoje estão envelhecendo.

Poder conviver com os avós permite que a criança também os ame de forma especial e, por isso, as ensina a ter mais paciência e respeito pelos mais velhos, além de criar na criança um sentimento de cuidado e atenção por esses familiares tão especiais.

Lembranças para
uma vida inteira

Pode ser que a criança seja muito pequena ou imatura para entender toda essa experiência que os avós têm para compartilhar, mas de um jeito ou de outro, toda a informação que recebe será armazenada em sua mente e em seu coração e, quando for mais velha, conseguirá, por meio de suas lembranças e experiências de vida, ter uma imagem real de quem são ou de quem foram os seus avós. E é isso o que importa: conhecer um pouco da sua história e ter boas lembranças familiares.